segunda-feira, 11 de fevereiro de 2013

PECADORES SANTOS OU SANTOS QUE PECAM? AFINAL O QUE SOMOS?



                Será que sabemos ao certo o que somos em relação ao “pecado”? Será que posso afirmar que uma vez remido e lavado no sangue de Cristo não tenho mais pecados? Será que como “santo” que somos o que é afirmado pela Bíblia, não posso ou não peco mais, independente de meus atos e ações? Será que mesmo sendo considerado biblicamente “santo” posso pecar sem sofrer as consequências? Ou será que se pecar, mesmo já sendo remido e lavado pelo sangue de Cristo tenho direito ao perdão novamente?
            Amados, não quero aqui estar lançando uma “Nova Doutrina” ou criando um “Tratado Teológico” mesmo porque no primeiro caso estaria sendo contraio aos ensinamentos de Paulo em 1Tm 6:3-5,e neste caso estaria eu sendo um falso mestre e distorcendo a Palavra de Deus. Longe de mim aspirar a isto. E no segundo caso criar um tratado teológica seria uma afronta aos meus mestres e pastores aos quais tenho em grande apreço e consideração e submisso a eles assim como a Bíblia nos ensina não quero aqui criar nenhum constrangimento a ninguém e nem tão pouco ter a palavra final. Mas julgo ser oportuno este ensinamento devido ao momento pelo qual a Igreja do Senhor passa, sendo bombardeada por uma enxurrada de heresias e costumes mundanos e principalmente por não estarmos sabendo lidar com os “fracos na fé” imputando sob eles um fardo maior do que podem carregar, excluindo-os de nosso meio, tão somente por acharmos que de tudo sabemos. Desta forma queridos não imitamos a Paulo quando ele escreve em 1 Coríntios 2:2-5.
 “A minha palavra e a minha pregação não consistiram em linguagem persuasiva de sabedoria, mas de demonstração do Espírito e de poder, para que a vossa fé não se firmasse em sabedoria humana; e sim, no poder de Deus” RYRIE, C.C, 1994.
            Este trabalho não tem por finalidade definir o que é o não pecado, mas alertar para seus malefícios e consequências devastadoras na vida do cristão. Não tem também a finalidade de imputar ou suprimir a culpa de alguém, mas sim alertar para o real significado de a “Misericórdia do Senhor ser de eternidade a eternidade” Sl 103:17.
            Para começar nossa exposição temos primeiro ter a certeza de que todos somos pecadores, e quando a Bíblia diz todos ela está se referindo ao Mundo, a toda humanidade, desde Adão até você, eu, todos no sentido literal da palavra. Paulo escreve aos Romanos dizendo que “todos pecaram e carecem da Glória de Deus” Rm 3:23.
É fato então que todos somos pecadores e por este motivo Deus prometeu um Santo, sem pecado nascido de mulher, mas não concebido pelo pecado, ou seja, este não foi concebido pelo meio natural da conjunção carnal entre homem e mulher, mas sim pelo poder do Espírito para que todos pudessem ter acesso a Graça de Deus e direito a vida eterna . Porque está escrito que: “Portanto, assim como por um só homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado a morte, assim também a morte passou a todos os homens porque todos pecaram” Rm 5:12.
Quando é utilizada então a palavra “santo” para se referir ao crente ou cristão, como queiram, não à usamos no sentido literal e nem no sentido pejorativo, mas no sentido de ser o cristão um alguém em constante estado de santificação. Para nosso entendimento ficar pelo e podermos navegar pelos conhecimentos do Espírito com sabedoria e entendimento temos que saber que santificação indica condição e por ser condição ela tem de ser constante, diária na vida do crente. Santificação então é um processo e como todo processo tem inicio meio e fim.
·         Inicio: A santificação começa no momento em que tomamos consciência de que somos pecadores e destituídos estamos da graça de Deus. Neste ponto o ser humano usa seu livre arbítrio para decidir se quer ou não abandonar as práticas pecaminosas que o levaram a morte espiritual e o empurram para a morte física e eterna sem direito a salvação ou se aceitam a sua condição de pecador e carecedor do amor de Deus e reconhecem a Cristo com único e suficiente salvador e se predispõe a segui-lo, passando a viver uma nova vida ou em novidade de vida como preconiza Romanos 6, versículo 4.
·         Meio: É justamente onde nos encontramos neste exato momento, depois de termos aceitado nossa condição de pecador, confessado o nossos pecados a Cristo e o confessado em público, ou seja, professado nossa fé Nele, Cristo, entramos diretamente no segundo estágio da santificação. Neste estágio o Homem começa a tomar um novo rumo em sua vida, pois agora é considerada nova criatura e as práticas antigas do pecado já não condizem com sua nova realidade. Mas e justamente neste estágio que a maioria se perde ou se desilude deste no modo de vida justamente por se considerar “Santo” e achar que o pecado não pode ou não irá atingi-lo mais. Neste momento muitos que se julgam fortes tem a certeza de que são fracos e os que se sentem fracos percebem que são impotentes diante da carne. Sim, pois todo o pecado provem das obras da carne listadas em Gálatas 5:19-21. Neste momento temos que ter a convicção de que todos somos pecadores e passiveis de pecar, temos que saber que o pecado não pode ser uma constante ou costumeiro na vida do crente, mas que no caminho podemos sofrer algum acidente quer seja por descuido quer seja subestimarmos a carne ou até mesmo Satanás e suas hostes malignas. Nem tudo que acontece de mal ou errado em nossa vida é provocado por Satanás, se fosse assim não seriam imputados sobre nós os pecados, assim sendo temos a nossa parcela de culpa, por este motivo temos o livre arbítrio, podemos escolher em praticar ou não tal coisa. Pode ser que nem tudo de mal ou ruim provenha dele, mas uma coisa é certa todos os maus pensamentos, estes, sim provem dele. Mas lembre-se a decisão final é sua. Veja como ele é astuto na tentação de Jesus Cristo, Mt 4:1-11. Não queira vencer Satanás pela palavra somente ele à conhece melhor que você e é por ela que ele te destrói. Tg 4:7 diz: “mas resisti a diabo, e ele fugirá de vós”. Pode ser que você esteja dizendo que da mesma maneira como Satanás tentou a Cristo pela palavra, Cristo venceu a ele pela palavra. Correto o seu pensamento se não fosse por algumas peculiaridades, não vou nem começar por ele ser Cristo. Vejamos a primeira: Satanás não veio até Ele, Ele foi levado até Satanás. Note então no vs.1 que o Espírito o conduziu até o deserto a fim de ser tentado e isto se deu logo após a afirmativa, logo após a confissão de Deus que disse: “Este é o meu filho amado em quem me comprazo.” Temos que ter a real dimensão desta narrativa de Mateus, pois ai esta um dos segredos pelo qual eu afirmo que não foi somente pela palavra que Jesus venceu a Satanás. Jesus diz dias depois de sua tentação: ”Portanto, todo aquele que me confessar diante dos homens, também eu o confessarei diante de meu Pai que esta nos céus”Mt 10:32. Notem que Jesus diz isto logo após instruir os discípulos a irem evangelizar e enfrentar todas as hostes do mal e os homens que se opunham a aceitar a Ele como o Cristo, o Messias prometido. E quem eram os homens a serem enfrentados na época senão os Judeus, senhores doutos e versados na lei, conhecedores dos ensinamentos de Deus. E Jesus usa o ordenança de “confessar” a Ele diante dos homens para dizer, não basta estar comigo todos os dias, não basta conhecer meus ensinamentos, não basta ser bonzinho tem que me confessar diante dos homens assim como meu Pai me confessou  eu os confessarei diante Dele e ao precisai temer pois Ele, Eu e o mesmo Espírito que me levou ao deserto seremos por vocês e com vocês. Então quando Deus Pai confessa o Filho diante dos homens e diz ao mundo: Eu estou com Ele, o que Ele fizer Eu assino embaixo. Desta mesma forma quando confessamos Jesus perante os homens e Ele nos confessa diante do Pai, Ele esta dizendo: Pai, assim com tu foste comigo seja com este servo dá-lhe condições para enfrentar as adversidades, as tentações, as provações, pois assim como Tu és comigo e Eu com o Senhor, ele é comigo e Eu com ele. Depois da confissão de Deus Jesus é levado ao deserto para ser tentado, mas não o foi de imediato ai vem à segunda peculiaridade vs. 2 “ E depois de jejuar quarenta dias e quarenta noites, teve fome.” Não é relatado mas é subentendido que nestes quarenta dias e noites Jesus orou, você pode até discordar e refutar esta ideia dizendo que como não tem nada relatado não pode ser provado. Bem, mas vamos à lógica. Jejum sem propósito não tem lógica e para se ter um propósito, uma direção ou uma finalidade é necessário oração, se não for desta forma estamos ensinando errado nossos discípulos em nossas igrejas e nós mesmos estamos agindo errado, pois quando jejuamos oramos neste momento e eu creio que isto vem de Deus, que está é uma das práticas da doutrina de Cristo, e se eu ensino desta forma e ajo desta forma, com Cristo não seria diferente. Pois o mestre não pode ensinar aquilo que ele não faz. Terceira peculiaridade na tentação de Cristo, o diabo somente se aproximou dele quando ele teve fome, vs. 3. Fome sentimento atinente ao comportamento humano, ou seja, Satanás somente se aproximou de Jesus quando ele se sentiu fraco, quando a parte humana Dele reclamou. Satanás somente ira tentar sua vida quando os sentimentos humanos aflorarem a sua pele, quando estes sentimentos falarem mais alto que a sua parte espiritual. Ele de bobo não tem nada, ele sabe que enquanto você estiver em oração e jejum constante, confessando a Cristo diante da humanidade ele não pode te atingir porque Cristo está te confessando diante do Pai e seu escudo está diante de você. Suas suplicas são ouvidas a atendidas pelo Espírito Santo de Deus, o consolador prometido por Cristo para estar com você todos os dias. Peculiaridade quatro quem disse para você que Cristo utilizou somente a Palavra para derrotar a Satanás, além da Palavra Ele utilizou a autoridade dada por Deus a Ele na confissão perante os homens. Em Jo 14:9 Jesus afirma “quem vê a mim vê o Pai”. E não é assim conosco, quando eu vou a algum lugar onde estão meus amigos, conhecidos ou sou apresentado a alguém e meus filhos estão próximos eu os apresento e digo estes são meus filhos, e faço isto para que as pessoas os respeitem como meus filhos e vejam neles e tenham por eles o mesmo respeito à admiração e amizade que têm por mim e que a palavra deles seja de credibilidade como a minha e surtam o mesmo efeito. Com certeza tudo o que meus filhos falarem de bom ou de ruim recairá sobre os meus ensinamentos para eles. Jesus afirma “...falo como o Pai me ensinou.” Jo 8:28, parte “c”. É isto, Jesus estava revestido da autoridade de Deus. Quinta peculiaridade na tentação de Cristo ele é “Santo”, na realidade Ele é o padrão de Santidade a ser seguido. Em Jo 10:30 Jesus diz: “ Eu e o Pai somos um.” Isto é a unicidade de Jesus, então se o Pai e o Filho são um sua santidade também é única, em Lv 11:45 Deus diz: “...portanto vós sereis santos, porque eu sou santo”. Deus nos torna santo não porque Ele é bom, não porque merecemos, mas porque temos que ser santos devido a sua santidade a ser seguida, a mesma santidade apresentada por Jesus deverá ser refletida em nós.  Aqui chegamos ao fim da santificação.
·         Final do processo de santificação: Como foi dito santificação é um processo que tem inicio, meio e fim e o final da santificação somente poderia ser o padrão de santidade do crente em Jesus Cristo. “Perfeito serás para com o Senhor teu Deus” Dt. 18:13. Mas afinal o que vem a ser o termo “ser perfeito”, talvez você diga sem vícios, se pecados, integro, fiel, respeitador e conhecedor da lei, com padrão de amor cristão, não mal dizente, respeitador de pai e mãe, em fim tantos adjetivos são impostos a perfeição que primeiro, encontramos em muitos não crentes estes adjetivos, segundo, se você julga ter todos ou busca possuir todos esqueça sua natureza humana não o deixará. Então qual o padrão de perfeição deverá ser seguido pelo crente em busca da santidade. Jó 11:7 “Porventura desvendarás os arcanos de Deus ou penetrarás até à perfeição do Todo-Poderoso”. Perfeito somente Deus e consequentemente o Filho e o Espírito Santo. Quer descobrir como ser perfeito então? Na carta que o apostolo Paulo escreve para a igreja de Éfeso, ele nos dá um parâmetro de como caminharmos para a integridade, para a perfeição e assim consequentemente atingirmos o ápice da santificação “a santidade”, mas eu quero aqui me prender nos vs de 12 a 16:  “...com vistas ao aperfeiçoamento dos santos para desempenho do seu serviço, para edificação do corpo de Cristo, até que todos cheguemos a unidade da fé e do pleno conhecimento do Filho de Deus, à perfeita varonilidade, à medida da estatura da plenitude de Cristo, para que não mais sejamos como meninos, agitados de um lado para outro, e levados ao redor por todo vento de doutrina, pela artimanha dos homens, pela astucia com que induzem ao erro. Mas, seguindo a verdade em amor, cresçamos em tudo naquele que é o cabeça, Cristo, de quem todo o corpo, bem ajustado e consolidado, pelo auxílio de toda junta, segundo a justa cooperação de cada parte, efetua o seu próprio aumento para edificação de si mesmo em amor”. Agindo desta maneira certamente o crente em Cristo Jesus estará caminhando para a estatura do varão perfeito “Cristo” alcançando então a santidade almejada e ai virá o fim.
Neste primeiro momento quis o Senhor que eu explana-se sobre a necessidade de se viver em constante santificação, que santificação não é condição e sim um processo pelo qual o crente em Jesus Cristo deve sempre estar, e que santidade sim é uma condição para se chegar a salvação da alma e que santidade é uma condição que depende da perfeição alcançada no decorrer da caminhada com Cristo e que Ele, Cristo, deve ser o nosso padrão de santidade e perfeição. Vamos então ao propósito de nosso ensinamento que é o de responder a questão: Somos pecadores santos ou santos que pecam? Para não fazer rodeios e no final não chegarmos à conclusão alguma, temos que entender primeiro. O que é pecado? Como ele se originou? Como chegou até nós? O pecado é uma realidade na vida dos santos? Como viver em meio ao pecado e como conviver com ele? O que fazer quando me deparar com o pecado dentro da igreja?
Bem, na realidade a primeira questão já esta respondida para a maioria dos crentes em Jesus Cristo. Não há a mínima possibilidade de sermos pecadores santos, pois ou somos de Cristo ou de Satanás. “Ninguém pode servir a dois senhores; porque ou há de aborrecer-se de um, e amar ao outro; ou se devotará a um e desprezará ao outro. Não podeis servir a Deus e as riquezas”.         Mt. 6:24. Como dizem os ensinamentos teológicos, e eu não estou contrariando-os, “Um texto fora do contexto vira pretexto”, não vou usá-lo como pretexto para apoiar as minhas afirmações, mas quero deixa de lado a parte final do versículo em epigrafe por julgá-lo inconveniente para o momento deste ensinamento. Não estamos falando de dinheiro e sim de pecado, apesar de eu acreditar que a raiz do mal vem do dinheiro ou da falta dele. Mas prossigamos, não podemos ser pecadores santos, pois estaríamos servindo a Satanás e deixando as coisas de Deus de lado, seus ensinamentos, suas leis e principalmente o fato de João ter dito que: “Deus amou o mundo de tal forma que deu seu Filho unigênito, para que todo que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna”. Jo. 3:16. Para mim este é o versículo chave que diz que eu não posso ser um pecador santo, ele diz que Deus promete que quem crê e não quem crer como muitos usam. Crê, está no presente do indicativo, ou seja, indicando uma ação do sujeito e não no futuro do pretérito indicando uma ação a ser tomada. Então quem crê em Cristo o filho unigênito de Deus dado como oferta vicária pelos meus pecados, o que dá o direito da vida eterna e para ter este direito garantido não pode ser pecador e santo ao mesmo tempo ou tem um senhor em sua vida ou tem outro. Não pode ser morno, tem de ser quente ou frio santo ou pecador. Ponto pacífico este, todos concordam? Você tem todo o direito de discordar, mas me prove ao contrário usando a confissão tua a respeito de Cristo, de Cristo ao teu respeito, a oração, o jejum, a palavra e a autoridade, afinal você tem o livre arbítrio teu favor. Mas vamos seguir em frente. Posso eu então ser um santo pecador? Vias de regra não. Pelo simples fato de a luz não ter comunhão com a escuridão, afinal aonde chega à luz a escuridão se dissipa. Logo chegaremos a este ponto vamos retomar o raciocínio. Você sabe o que é Hamartiologia? Hamartiologia é literalmente falando O Estudo do Pecado ou Doutrina do Pecado, uma matéria Teológica que no meu pensar deveria ser mais explorada dentro de nossas igrejas. Ela nos ensina a origem do pecado, a definição de pecado, a natureza pecaminosa do homem, o pecado pessoal, o pecado imputado, o pecado na vida do crente e tantas mais definições e orientações a este respeito. Bem mas vamos ao que no interessa. Como o pecado entrou no mundo ou qual a origem do pecado? Sabemos que pecado entrou no mundo por intermédio de Eva primeiramente e conseguinte por Adão, Gn. 3:1-7. Bem, esta foi à porta de entrada do pecado, foi esta a maneira como o pecado chegou até nós, Ele também nos é transmitido de geração a geração. “Eu nasci na iniquidade, em pecado me concebeu minha mãe”. Sl. 51:5. Esta narrativa do salmista deixa claro que desde nossa concepção somos pecadores, este é o pecado gerado por Adão e Eva no Édem. Mas será que o pecado é anterior a criação do mundo, a formação do Édem, ao surgimento dos animais e do homem? O Profeta Ezequiel no seu livro faz alusão a respeito de Satanás. No capitulo 28 do versículo 14 a 19: “Tu eras querubim da guarda ungido, e te estabeleci; permanecias no monte santo de Deus, no brilho das pedras andavas. Perfeito eras nos teus caminhos, desde o dia em que foste criado, até que se achou iniquidade em ti. Na multiplicação do teu comércio se encheu o teu interior de violência, e pecaste; pelo que te lançarei fora do monte de Deus, e te farei perecer, ó querubim da guarda, em meio ao brilho das pedras. Elevou-se o teu coração por causa da tua formosura, corrompeste a tua sabedoria por causa do teu resplendor lancei-te por terra diante dos reis te pus, para que te contemplem. Pela multidão das tuas iniquidades, pela injustiça do teu comércio profanaste os teus santuários; eu, pois, fiz sair do meio de ti um fogo, que te consumiu, e te reduziu a cinzas sobre a terra, aos olhos de todos os que te contemplam. Todos os que te conhecem entre os povos estão espantados de ti; vens ser objeto de espanto, e já mais subsistir”.
O profeta Isaias também descreve a queda de Satanás em seu livro no capitulo 14, versículos 11 a 15. Isto por si só já responderia as questões acima, mas para que você entenda melhor vou explanar meus ensinamentos. Não podemos dizer que ou afirmar que Deus foi o criador do pecado tão simplesmente pelo fato de uma das impossibilidades de Deus ser a de pecar, ou seja, Deus não pode pecar. Mas houve o consentimento ou a permissão de Deus para que o pecado entrasse no mundo, pois sem este consentimento jamais o homem teria cedido à tentação. Sendo Deus sabedor que Lúcifer ou o Anjo Belo, o querubim levita, que cuidava das orquestras do céu, havia se rebelado e tentado ser igual a Deus, querendo forma usurpar o trono dos céus levando com sigo uma terça parte dos anjos celestiais. Deus ao criar o mundo, o Édem e os animais e o homem, já previa que sua criação poderia sofrer a investida de Lúcifer, agora denominado Satanás, Diabo, Demônio e tantos nomes mais. Ele Deus já tinha em mente o plano da salvação. Tanto Deus tinha a certeza de que o homem poderia assim como Satanás se rebelar contra Ele que proibiu o consumo do fruto da arvore do bem e do mal. O que nos leva a crer e afirmar que o pecado sim reside dentro do homem, ele é intrínseco e inerente à vontade humana, ou seja, está intimamente ligado ao homem e as suas vontades e paixões carnais que a Bíblia trada de concupiscência da carne. Por este motivo podemos crer o pecado teve origem no Édem em relação a sua entrada no mundo, mas ele já era uma realidade no plano espiritual devido ao motim, podemos assim chamar a rebelião que Satanás promoveu nos céus. E porque eu assemelho a rebelião de Satanás a um motim? Pelo fato de os dois transgredirem a lei e terem a mesma finalidade a tomada do poder indevido. Bem assim temos a origem do pecado. Em relação a Deus, Ele não foi o criador do pecado por não poder pecar, mas permitiu a ocorrência deste, vimos também que Ele, Deus, já havia incluído em seu plano a vinda do Salvador Jesus Cristo. Em relação a Satanás o pecado foi achado nele e nele teve origem. Em relação aos anjos vimos que um terço deles acompanhou a Lúcifer e desta forma foram juntamente com ele destituídos do céu. E em relação vimos que o pecado se originou no Édem.
Vamos então passar para a definição de pecado. A ideia de que o pecado é uma ilusão é totalmente errado, o pecado não é uma ilusão e a mais pura realidade. Tão certo como o ar que respiramos, com a água que bebemos, como o alimento que comemos, os amores que sentimos assim é o pecado, esta sempre a nossa espreita, esperando para nos tragar. É uma armadilha posta por Satanás para prender sua caça, pois é isto o que somos para ele, uma caça solta no mundo, pronta para virar um troféu em sua sala. E para ele não importa se você é forte ou fraco, se é fraco é presa fácil, se é forte ele sabe, tem a certeza de que uma hora você irá fraquejar. Ele conhece todos os seus pontos vulneráveis, e é ai que ele concentrará suas investidas. Veja o livro de Jó 1:6 “Num dia em que os filhos de Deus vieram apresentar-se perante o Senhor, veio também Satanás entre eles”. Continue depois a leitura se ainda não a fez, veja que Satanás vai à presença de Deus acusar a Jó. Muitos erroneamente podem até pensar, mas que Deus é este que deixa Satanás vir a sua presença para além de acusar pedir permissão para tenta-lo? Em Efésios 6:12 Paulo diz: “Porque nossa luta não é contra o sangue e a carne, e, sim contra os principados e potestades, contra os dominadores deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal, nas regiões celestes”. Deus não é injusto, não é um tirano, mas é um Deus que prova seu povo, se Ele permitiu que Satanás tentasse ao Senhor Jesus, não permitiria que Jó, Moisés, José, Daniel, Davi, a humanidade eu, você, fossemos tentados. Como saber o comportamento de um lutador se não colocá-lo para lutar, como saber que um guerreiro esta pronto se não colocá-lo a prova, como afirmar que tal pessoa é um campeão se não pô-lo à prova. Como dizer que sou corajoso se não encarar meus piores temores, meus piores medos, como afirmar que não peco mais se não encarar meus pecados. Davi tinha certeza de sua condição de dependente de Deus e de suas misericórdias  que escreve no Salmo 51:1-4 “Compadece-te de mim, ó Deus, segundo a tua benignidade; e segundo a multidão das tuas misericórdias, apaga as minhas transgressões. Lava-me completamente da minha iniquidade, e purifica-me do meu pecado. Pois eu conheço as minhas transgressões, e o meu pecado está sempre diante de mim. Pequei contra ti, contra ti somente, e fiz o que é mal perante os teus olhos, de maneira que serás tido por justo no eu falar e puro no teu julgar”. Davi reconhece que seus pecados são transgressões as leis de Deus ele afirma ter pecado contra Deus e contra Deus somente, o que nos leva a crer que pecado somente é pecado quando afronta a Deus, quando vai contra os ensinamentos e mandatos de Deus, se está na Bíblia que é pecado é pecado, do contrário não o é. A Bíblia tem quer para o crente em Jesus Cristo regra de vida, de conduta moral, profissional, familiar, social, espiritual e principalmente confiável penamente. Afinal ela é a inerrante Palavra de Deus. Nossa falta de conhecimento é a razão pela qual temos a ilusão do pecado o pecado é real. Quando evoluímos no conhecimento da palavra de Deus nos distanciamos desta ilusão até ao ponto de esta ilusão desaparecer. O pecado é eterno sendo o mal uma entidade externa a Deus sendo independente Dele. Deus é amor e o princípio do seu amor é a doação de seu filho para a morte vicária em nosso lugar para pagar por nossos pecados. Então o mal que é intrínseco ao pecado não faz parte do Deus trino. Dizer que o pecado é egoísmo ao está totalmente correto, mas não está de todo errado, afirmar que o pecado é a violação da lei pode até ser bíblico mas não é completa, a não ser que se estenda o conceito de lei de modo a se compreender todo o caráter de Deus. Pecado é definido então tudo ou qualquer coisa contrária ao caráter de Deus. Então sempre que vamos contra o caráter de Deus pecamos para definirmos quais os atributos do caráter de Deus temos que estudar “A doutrina de Deus, A doutrina de Cristo e a doutrina do Espírito Santo” visto que ele é tricotômico ou trino, mas isto demandaria muito tempo e muitas páginas, então fica para a próxima. Queremos mesmos é focar no pecado. Agora acho que podemos responder. Somos santos que pecam? Vejam bem é diferente eu perguntar. Somos pecadores santos? Somos santos pecadores? Somos santos que pecam? A diferença está justamente no verbo, note que nas duas primeiras sentenças existe apenas um verbo que indica a condição do sujeito: ser santo ou ser pecador, ser pecador ou ser santo, já na questão a ser respondida existem dois verbos ser e pecar. O que indica a condição neste caso é a vogal “e” que assume o papel da condicionante “se”. Se escrevermos a pergunta de outra forma vamos entendê-la melhor. Continuo sendo santo se pecar? Temos que entender primeiro alguns pontos, como afirmado no inicio o crente vive em um constante processo de santificação e que este processo tem inicio, meio e fim, que o momento que vivemos agora é apenas o meio do processo e que este processo se iniciou com a lei de Deus. Se este processo teve inicio com a lei podemos afirmar que o crente vive debaixo da lei. Certo? Errado, hoje vivemos pela graça e na pela lei, graça significa favor imerecido, ou seja, não somos merecedores deste amor, o amor ágape, que nos remiu dos nossos pecados. Mesmo sem tê-lo pedido ele nos foi dado, porque necessitávamos dele para não sermos condenado justamente por nossos pecados sem ter a chance nem a condição de pagá-los. Resumindo é basicamente isto, não estamos debaixo da lei, mas sim da graça. Não podemos de forma alguma afirmar que a lei é má o que ela é pecado, afinal foi ela quem nos trouxe o conhecimento do pecado e a certeza de nossa condição de pecadores. Também não podemos dizer que a lei é a causa de nossa morte, pelo contrario foi pela lei que se revelou o que é bom e causou a morte. Pois a lei é espiritual e nós carnais e escravos do pecado. Na carta aos Romanos o Apostolo Paulo descreve uma luta interior que retrata muito bem o nosso estágio nos dias de hoje. Vejamos: “Porque nem mesmo compreendo o meu próprio modo de  agir, pois não faço o que prefiro e sim o que detesto. Ora, se faço o que não quero consinto com a lei, que é boa. Neste caso, quem faz isto já não sou eu, as o pecado que habita em mim. Porque eu sei que em mim, isto é, na minha carne, não habita bem nenhum: PIS o querer o bem está em mim; não, porém, o efetuá-lo. Porque não faço o bem que prefiro, mas o mal que não quero esse faço. Mas se eu faço o que não quero, já não sou eu quem o faz, e sim o pecado que habita em mim. Então, ao querer fazer o bem, encontro a lei de que o mal reside em mim. Porque, no tocante ao homem interior, tenho prazer na lei de Deus; mas vejo nos meus membros outra lei que, guerreando contra a lei da minha mente, me faz prisioneiro da lei do pecado que está nos meus membros. Desventurado homem que sou!  Quem me livrará do corpo desta morte? Graças a Deus por Jesus Cristo, nosso senhor. De maneira que eu, de mim mesmo,com a mente sou escravo da lei de Deus, mas, segundo a carne, da lei do pecado”. Rm 7:15-25. Que lição Paulo nos apresenta o conflito entre a carne e o espírito, a lei de Deus da mente é escrava e a carne escravo segundo a lei do pecado. O que é isto então, vivemos escravizados? De modo algum, vivemos é um dilema eterno; Ser santo seguindo a Deus ou pecador seguindo a carne? Vejam bem que eu digo e afirmo que todos somos pecadores e carregamos o estigma do pecado desde o nascimento, e não importa se você nasceu em berço evangélico ou não, se você tem 100 anos ou 100 dias de conversão, se é batizado ou não, se é crente ou não, se é pastor, bispo, evangelista, presbítero, diácono, missionário ou apenas um membro da igreja, se é dizimista ou não, nada disto importa o que importa é que você tenha a consciência de que você é um pecador, um desgraçado, e não estou te ofendendo estou apenas dizendo que você é um desprovido de graça, isto se você não está na presença do Senhor Jesus. Na realidade somos carentes das misericórdias do Senhor em nossas vidas. Meu amado o que eu quero estar dizendo com isto e que não importa em que grau de espiritualidade você esteja, em que nível ou status você esteja na sua igreja somente quero que você se lembre: Aquele porém que não soube a vontade de seu senhor e fez cousas dignas de reprovação, levará poucos açoites. Mas aquele a quem muito foi dado, muito lhe será exigido; e aquele a quem muito se confia, muito mais lhe pedirão. Quero com este aviso lhe dizer se fiel até o fim, não de ouvidos a doutrinas de anjos, de demônios, persevera na sã doutrina dos santos, que nos ensina a ficarmos vigilantes, não vos enganeis, pois o pecado é um fato na vida do crente 1Jo 1:8-10, mas isto não quer dizer que o pecado te de ser uma constante na vida do crente. 1Co 10:12 “Aquele, pois, que pensa estar em pé, veja que não caia”. Um novo alerta para nós, quando pensamos estarmos muito seguros é hora de nos prevenirmos mais, é ai que as investidas de Satanás aumentarão, e quanto mais você estiver na presença do Senhor, quanto maior for a sua responsabilidade a igreja, quanto maior for seu cargo, quanto mais confiança for depositada em você, mais será cobrado de você se você cair, mas veja bem não por parte de Deus porque Ele conhece as limitações de cada um, mas pela sociedade, pela igreja, pelos amigos e até pela própria família. Veja que muitos até os de dentro da igreja esperam um deslize de sua parte, peça a Deus em nome de Jesus que lhe ampare no momento de sua queda, que não permita que você fique prostrado se cair, mas que tenha forças para se levantar e seguir enfrente. Entenda não estou dizendo que você está fadado a queda, não, não é isto. Apenas estou te alertando de que ninguém por mais santo que se sinta ou pareça esta livre da queda. Veja o que aconteceu com Sansão, que pensou ser senhor da situação e caiu diante do pecado, não dando importância Palavra de Deus, e o que dizer do Rei Davi, o homem segundo o coração de Deus. Por se achar acima de tudo e de todos acabou por cometer adultério ainda acabou por cometer homicídio. Mas porque será que estas narrativas estão incluídas na Bíblia se Deus é contra tais práticas, mesmo assim após o Juiz Sansão e o Rei Davi cometerem tais atos eles são tidos como heróis bíblicos e homens de Deus? Justamente pelo fato de Deus ser um Deus de misericórdia e justo e velar por sua palavra que estes homens após haverem pecado obtiveram o perdão. E se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar, e orar, e buscar a minha face e se converter dos seus maus caminhos, então eu ouvirei dos céus, e perdoarei os seus pecados, e sararei a sua terra.” 2 Crônicas 7:14. Veja como as promessas de Deus vão de encontro com as necessidades do seu povo, que Ele sempre coloca o condicional para o seu agir. E é justamete isto o que o torna um Deus fiel mesmo que eu seja infiel, ele não pode contrariar a sua palavra, mesmo que você venha a pecar se houver arrependimento haverá o perdão e a cura para suas chagas. Mas preste atenção no que está escrito em Pv. 28:13 “O que encobre as suas transgressões nunca prosperará, mas o que as confessa e deixa, alcançará misericórdia.” Observe outra condicionante para se obter as misericórdias de Deus, não basta confessar é necessário também deixar tais práticas. Do contrário se tornará um circulo vicioso, o homem peca Deus perdoa, ele peca de novo e é novamente perdoado, neste exemplo estaríamos crucificando a Cristo todas as vezes que pecarmos. Perde-se ai a essência da santificação, ou seja, ela deixa de ser um processo com começo meio e fim e terá apenas o começo que é justamente o arrependimento e reconhecimento da nossa condição de pecadores. Quero dizer que para mim, entendam bem é minha opinião particular a qual tenho que submeter ao crivo bíblico ainda para apoiá-la e assim expô-la com maior clareza e exatidão, mas tenho para mim que Cristo morreu que pratiquei, pelos que tenho praticado e pelos que ainda vou praticar. Pelo simples fato de Ele conhecer o coração do homem. “Porque do coração procedem os maus pensamentos, mortes, adultérios, prostituição, furtos, falsos testemunhos e blasfêmias.” Mt. 15:19. Mas esta tese eu defendo outro dia. Então está claro que somos santos que pecam, não é? Bem mas como fazer então para não ensejar em erro tantas vezes, e por vezes nos mesmo erros? Primeiro quero que você aceite que o pecado é um vício e como tal tem que ser tratado, não adianta você querer curar um viciado em crack, maconha, cocaína, álcool se o esmo não quiser ser tratado. Então a primeira pergunta a ser feita é você quer abandonar os velhos hábitos? Acho que este deveria ser o questionamento quando fazemos o apelo em nossos cultos. Sim, pois, muitos querem aceitar a Cristo, mas não estão dispostos a abandonarem a velha vida, os velhos hábitos, as práticas pecaminosas. Então entendido que tem que haver um querer da parte do pecador, temos que entender que não temos que enfrentar os velhos costumes ou as velhas práticas. Vejamos duas passagens Bíblicas a respeito disto: “Mas os que querem ser ricos caem em tentação, e em laço, e em muitas concupiscências loucas e nocivas, que submergem os homens na perdição e ruína. Porque o amor ao dinheiro é a raiz de toda a espécie de males; e nessa cobiça alguns se desviaram da fé, e se traspassaram a si mesmos com muitas dores. Mas tu, ó homem de Deus, foge destas coisas, e segue a justiça, a piedade, a fé, o amor, a paciência, a mansidão.” 1 Timóteo 6:9-11; a outra é: “Foge também das paixões da mocidade; e segue a justiça, a fé, o amor, e a paz com os que, com um coração puro, invocam o Senhor.” 2 Timóteo 2:22.
Vejam que nas passagens citadas Paulo orienta a fugirmos do embate, do enfrentamento com as coisas passadas, isto porque ele tem a certeza que se fomos a este tipo de enfrentamento seremos vencidos, derrotados por nossos próprios erros. O que devemos fazer então resistir, sim, resistir é diferente de enfrentar. Quando eu enfrento eu dou à cara à tapa, eu instigo no inimigo a ira, a fúria, o ódio, já quando eu resisto as investidas do inimigo, eu as ignoro, não ligo, ao dou a mínima para elas, desta forma e vou minando a sua resistência. Bem mas com Satanás não é simples assim, na é fácil. Quando o Apostolo Paulo retrata aquele quadro de luta interior ele nos mostra um quadro de alguém que luta um atalha infindável e incansável contra a carne, agora quando ele escreve a Tiago eles expõe de onde vem tal batalha e aconselha a não enfrentar, mas a resisti as investidas da carne e de Satanás ele nos instrui a sermos amigos, submissos e sujeitos a Deus, e afirma que ao nos aproximarmos de Deus ele também se aproxima de nós.“De onde vêm às guerras e pelejas entre vós? Porventura não vêm disto, a saber, dos vossos deleites, que nos vossos membros guerreiam? Cobiçais, e nada tendes; matais, e sois invejosos, e nada podeis alcançar; combateis e guerreais, e nada tendes, porque não pedis.Pedis, e não recebeis, porque pedis mal, para o gastardes em vossos deleites. Adúlteros e adúlteras, não sabeis vós que a amizade do mundo é inimizade contra Deus? Portanto, qualquer que quiser ser amigo do mundo constitui-se inimigo de Deus. Ou cuidais vós que em vão diz a Escritura: O Espírito que em nós habita tem ciúmes? Antes, ele dá maior graça. Portanto diz: Deus resiste aos soberbos, mas dá graça aos humildes. Sujeitai-vos, pois, a Deus, resisti ao diabo, e ele fugirá de vós. Chegai-vos a Deus, e ele se chegará a vós. Alimpai as mãos, pecadores; e, vós de duplo ânimo, purificai os corações. Senti as vossas misérias, e lamentai e chorai; converta-se o vosso riso em pranto, e o vosso gozo em tristeza. Humilhai-vos perante o Senhor, e ele vos exaltará.” Tiago 4:1-10.
Mas não pense que não sofreremos as consequências por nossas atitudes podemos sim sofrer retaliações e sanções por nossos pecados, mas temos que estar preparados para isto eis o que pode ocorrer na vida do crente em Jesus Cristo quando ele peca: a) Perda da comunhão – 1Jo 1:6;           b) Exclusão da igreja local – 1 Co 5:4-5; c) Disciplina de Deus – Hb 12:6; d) Ás vezes a morte física – 1Co 11:30.
O que fazer então para resistir ao pecado e as investidas de Satanás. Primeiro devemos adotar um padrão de vida que nos conduza sem medo nos caminhos da salvação, 1 Jo 1:7 diz que devemos andar na luz, e julgo ser este o padrão de vida a ser seguida pelo crente. Mas não basta apenas adotar este padrão se não nos prevenirmos contra o pecado. E como é feito isto? a) Pela Palavra de Deus – Sl. 119:11; b) Pela intercessão de Cristo – Jo 17:15; c) Pelo Espírito Santo que habita Nele, Jesus – Jo 7:37-39.
Aos que almejam serem curados deste mal o remédio para o pecado na vida do crente é um só a confissão 1Jo 1:9.
Mas lembrem-se estas coisas somente surtirão efeito na vida dos que verdadeiramente o adorarem em espírito e verdade, nós temos que viver sim uma vida regrada e isenta de culpa, mas por ser impossível ao homem passar por este mundo sem se contaminar com sua iniquidade e concupiscência Deus prouve o Salvador, aquele pelo qual temos acesso ao Pai, Jesus Cristo e devemos ter a convicção que não há outro, não intercessores por nós junto a Deus. Cristo é o caminho, a verdade e a vida, por meio dele fomos livre efeitos filhos de Deus por adoção. Éramos pobres, perdidos e pecadores Ele nos tornou coerdeiros seu, nos encontrou e nos limpou dos nossos pecados. Tenha a plena convicção de que se por um acidente você pecar, tem o direito de obter perdão pelos seus pecados, Ele está sempre pronto para te confessar diante do Pai, basta que você o confesse diante dos homens. Não entre em guerra com seus pecados apenas resista a Satanás e ele fugirá de vós. Use a autoridade de Deus em sua vida, use a Palavra de Deus a seu favor, mesmo que Satanás queira usá-la contra você. Tenha bom animo Jesus venceu o mundo, por mim e por você.
Quero neste momento estar orando não por você, mas juntamente com você:
Senhor Deus, Pai criador dos céus e da terra, somos gratos pelas suas misericórdias sobre nossas vidas, sem as quais Pai já teríamos sido consumido da face desta terra. Queremos te agradecer também o Deus por ter preparado o plano da salvação e ter enviado a seu filho nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo para nos resgatar das mãos de Satanás por intermédio do seu sacrifício vicário e substitutivo sem o qual continuaríamos na escravidão do pecado. Obrigado meu Deus por não ter nos deixado desamparados, enviando seu Santo Espírito para nos consolar nestes tempos de provação e onde podemos constatar que as investidas de Satanás contra os seus santos, contra a sua igreja e sua doutrina tem sido constantes nestes dias. Em nome do Teu filho Jesus, pedimos que nos ampare e nos de forças para resistirmos as concupiscência de nossa carne  as paixões do mundo. Pedimos perdão o Pai pelos pecados cometidos, livre-nos das tentações e não permita que pequemos mais. Dai-nos ó Deus paz em nossa caminhada e não aparte o teu Espírito de nós. Olhe o Deus pela família dos teus amados, pelos enfermos, viciados, presos, encarcerados, pelos que se encontram abandonados, esquecidos desamparados. Pai abençoe a vida espiritual de seus santos e de sua igreja. Dai-nos lideres comprometido com a sua obra, sábio e versados na sua Palavra. Coloca em nós um espírito de sabedoria e entendimento para que possamos cada dia mais aprender e ensinar sua lei. Abençoe-nos ó Deus em nome do teu Filho Jesus Cristo. Amém!



Ev. ANDRÉ LUIZ COUTINHO

Nenhum comentário:

Postar um comentário